És um bom ouvinte? Aprendendo com a Teoria de Aconselhamento Centrado na Pessoa de Rogers

O Aconselhamento Centrado na Pessoa oferece três princípios-chave que podemos usar para melhorar nossas habilidades de escuta: consideração positiva incondicional, empatia e abordagem centrada no cliente.

ouvindoO valor de um bom ouvinte

Quando temos problemas ou dificuldades sobre os quais queremos conversar ou discutir, geralmente gravitamos em torno de um membro da família ou amigo que é um bom ouvinte. Valorizamos e premiamos quem realmente nos ouve, se interessa pelo que dizemos e nos apoia.



Não é surpreendente que as características de um bom ouvinte sejam encontradas em uma das práticas de aconselhamento mais influentes de nosso tempo -

Todos nós podemos aprender muito com seu fundador, Carl Rogers, e com a terapia de aconselhamento específica que ele criou, quando pretendemos ser um bom ouvinte.

Princípios chave

O Aconselhamento Centrado na Pessoa oferece os seguintes princípios-chave com os quais podemos aprender para melhorar nossas próprias habilidades de escuta:

  • Consideração positiva incondicional: escuta sem julgamento e sem resolução de problemas
  • Escuta empática - demonstrando cuidado genuíno
  • Abordagem centrada no cliente - foco no outro, não em si mesmo - este não é um lugar para o conselheiro falar sobre seus problemas

Consideração positiva incondicional

Quaisquer que sejam as circunstâncias e o que quer que uma pessoa esteja expressando, a abordagem de Rogers de consideração positiva incondicional significa que a pessoa que você está ouvindo continua sendo uma pessoa de valor e valor intrínseco. Esse valor intrínseco é uma constante e não depende do que está sendo dito e se você concorda ou não com isso. Oferecer este nível de consideração pessoal, respeito e valor é a referência para ouvir bem.

Escuta sem julgamentos

Com a terapia centrada na pessoa, o conselheiro não oferece julgamentos de valor. Todas as palavras são ouvidas sem julgamento ou desaprovação. Isso é ouvir com um ouvido verdadeiramente solidário e todos podemos aprender com essa abordagem. Ao ouvir, não estamos lá para julgar ou fazer uma pessoa se sentir desconfortável. Não estamos aqui para repreender ou envergonhar uma pessoa. Precisamos ter como objetivo ouvir sem expressar nossa moralidade particular ou fazer alguém se sentir desaprovado. Esse tipo de escuta solidária e habilidosa geralmente fará com que a pessoa que estamos ouvindo se sinta mais plenamente capaz de se revelar com sinceridade.

Escuta sem solução de problemas

Com Rogers como nosso guia, ouvimos sem dar conselhos ou oferecer soluções para problemas. Essa é uma armadilha em que frequentemente caímos quando ouvimos. Temos a tendência de saltar para tentar resolver alguma coisa. Muitas vezes, porém, as pessoas não querem uma solução, apenas querem expressar seus sentimentos e isso deve ser permitido e encorajado. Há muito a dizer sobre não oferecer conselhos a menos que sejam solicitados. Ou, pelo menos, perguntando a uma pessoa se ela realmente aceitaria alguns de nossos pensamentos pessoais.

Escuta empática - demonstrando cuidado genuíno

Empatia envolve nos colocar no lugar do outro. Não em imaginar o que faríamos ou sentiríamos, mas o que sente a pessoa que está diante de nós, com suas experiências de vida. Quando realmente demonstramos empatia, nosso cuidado genuíno é evidente. Ouvir com esse nível de empatia incentiva a conexão e faz a pessoa se sentir realmente ouvida e valorizada.

Abordagem Centrada no Cliente

Se visitarmos um conselheiro, não esperaríamos que ele passasse nossa sessão revelando informações sobre sua própria vida sempre que mencionamos algo que é relevante para ele. Da mesma forma, é muito fácil, ao ouvir alguém, pular com nossa própria história, especialmente quando está falando sobre algo que temos algum conhecimento. Mas isso não é bom ouvir. Ouvir é sobre a história de outra pessoa - não uma oportunidade de revelar nossas próprias experiências.

Ser um bom ouvinte

Não é fácil ser um bom ouvinte. Pode ser uma empresa bastante frustrante, especialmente se acreditarmos que temos uma 'solução' ou se tivermos nossos próprios problemas que desejamos compartilhar. Se pensarmos sobre a abordagem de Rogers, no entanto, ela pode definir um modelo para a melhor audição de todos:

  • Para ouvir sem julgamento e desaprovação
  • Para ouvir sem oferecer conselhos não solicitados
  • Para demonstrar empatia genuína
  • Para manter o foco, ao ouvir, nas experiências das outras pessoas, em vez de tentar compartilhar as nossas.

Ouvir é uma habilidade altamente valorizada e que vale a pena adquirir. Ouvir bem nos permitirá ser verdadeiramente úteis às pessoas. Também nos permitirá desenvolver amizades profundas e duradouras que serão construídas sobre valores genuínos e atitudes altruístas.

2013 Ruth Nina Welsh - Seja seu próprio conselheiro e treinador