Dez dicas para gerenciar a raiva e reduzir o conflito nos relacionamentos

A Dra. Sheri Jacobson compartilha algumas dicas para controlar a raiva e reduzir o conflito nos relacionamentos. Guia de autoajuda que descreve as ferramentas de gerenciamento da raiva.

raiva nos relacionamentos

Por: Dimaz Fakhruddin



O conflito e a discordância são inevitáveis ​​nos relacionamentos. A raiva é uma emoção natural, e desentendimentos podem ser um sinal saudável de diferença.



O conflito geralmente ocorre porque certas necessidades não estão sendo atendidas - seja dentro ou fora do relacionamento. O objetivo da gestão de conflitos é solicitar que essas necessidades sejam atendidas de uma forma que não prejudique o seu relacionamento.

Aqui estão algumas dicas que podem ser úteis para controlar a raiva e reduzir o conflito nos relacionamentos.



por qué dejé de ser terapeuta

1TOME TEMPO.Desentendimentos são mais bem tratados quando ambas as partes estão em um estado de não excitação. Sempre que possível, dê um tempo para acalmar seu corpo. As técnicas incluem respiração, relaxamento e visualização. Emoções fortes de raiva, dor ou não facilitam o nosso acesso às nossas faculdades racionais e, portanto, há poucos benefícios em tentar abordar as divergências nessa condição - muitas vezes, ela apenas se transforma em insultos e lançamentos involuntários de adagas. Ambos devem respeitar a necessidade um do outro de um tempo limite. Não é fugir do problema, mas se preparar para lidar com ele de modo mais receptivo.

2REFLETIR INTERNAMENTE. Verifique você mesmo e pergunte-se sobre o que você acha que se trata. Que papel você está desempenhando nisso - você está interpretando mal o que seu parceiro disse? Você está de mau humor por causa de outra coisa? Você está sendo razoável aqui? Pergunte a si mesmo se você acha que é uma questão importante o suficiente para se manter firme - você pode deixar isso passar sem ressentimento ou precisa pedir algo ao seu parceiro? Às vezes, discutimos por hábito e porque isso nos conecta (mesmo que seja negativo, pelo menos nós dois chamamos atenção). Pergunte a si mesmo se você realmente precisa abordar essa questão. Em caso afirmativo, pense sobre o que exatamente você precisa pedir.

3 -EXPLICAR. Evite presumir que seu parceiro deve saber o que está errado. Empatia é um conceito ilusório - é quase impossível para outra pessoa saber realmente o que você está vivenciando e dar-lhe o que deseja. É útil se você pedir o que precisa.



diferencia entre consejería y psicoterapia

Quatro.TOME UMA PERSPECTIVA.Às vezes, há grande tentação de elevar o risco de uma discussão. Ameaças e ultimatos são prejudiciais ao ego e destroem todo o relacionamento. Tente manter o argumento voltado para a questão específica, em vez de colocar todo o relacionamento em risco. Evite ‘se você fizer isso mais uma vez ...’ ‘Não aguento mais, estou indo embora’ ... Cada um de vocês deve saber que, por mais desagradável que seja essa discordância, ela não afetará o relacionamento. Se o relacionamento deve terminar, deve ser decidido separadamente para uma discussão acalorada.

5TENTE PERSONALIZAR.A conversa é melhor abordada de um ângulo pessoal, em vez de culpar seu parceiro. Se seu parceiro ouvir críticas, ele / ela vai querer se defender em vez de abordar o problema. Tente usar 'Eu sinto ...', 'Me dói quando ...', 'Eu realmente gostaria se ...', ao invés de 'você me faz sentir ...', 'quando você faz isso ...'. Tente também evitar generalizações como 'você sempre faz isso ..', 'você nunca pensa ...' - é certamente doloroso e geralmente impreciso.

6ATÉ ERROS. Não é uma fraqueza aceitar que você agiu fora da linha. Aceitar faltas e erros é útil para ambas as partes, desde que não seja feito por martírio ou para efeito manipulador. Pedir desculpas antecipadamente pode evitar muitos conflitos desnecessários.

7INCLUA ALGO POSITIVO. Ao expor seu ponto de vista, ele traz bons resultados se você também puder se referir a algo positivo. É improvável que a discussão seja otimista, mas se você puder recorrer a aspectos de que gosta, isso tornará seu parceiro menos tenso e combativo. Expressar pontos negativos de uma forma bem-humorada também pode funcionar. Humor não significa que seu parceiro está banalizando o problema, mas torna mais fácil para ele confrontar um problema.

8FOCO NO PRESENTE. Ao se apegar à memória dolorosa de um evento passado (não importa o quão angustiante seja), você fica impedido de viver no presente. Você tem direito a um período de luto e pode deixar suas necessidades claras para seu parceiro. O ressentimento de longa data manchará o relacionamento. Tente não usar eventos passados ​​como munição. Mesmo que seja um problema recorrente, o desacordo atual deve abordar o aqui e agora.

prueba de autismo para adolescentes

9OBJETIVO SER FELIZ, NÃO ESTAR CERTO.O objetivo de abordar o conflito é obter o máximo de resultados para vocês dois. Quando você argumenta para ganhar (marcando pontos), o ganho é de curto prazo e geralmente faz você se sentir pior. Quando você argumenta para pedir que suas necessidades sejam satisfeitas, ainda é desagradável, mas você está trabalhando para construir melhores condições para ambos.

10CONCORDO EM DISCORDAR.Você tem o direito de pedir a seu parceiro que o ajude a atender às suas necessidades, mas não é seu trabalho fazer com que ele veja o mundo como você. É infrutífero tentar convertê-los à sua filosofia de vida. As diferenças devem ser aceitas - incluindo diferentes conjuntos de interesses e atividades. Enfim, não cabe ao seu parceiro suprir todas as suas necessidades, elas também devem ser atendidas internamente e com outras pessoas (família, amigos).

distanciamiento familiar depresión

Nota: As dicas acima representam um conjunto de ferramentas para controlar a raiva e reduzir o conflito nos relacionamentos. Eles não são fáceis de incorporar, mas com a prática, seu relacionamento irá melhorar. Se essas dicas de autoajuda não surtirem efeito, ou parecerem muito difíceis de adotar, você pode se beneficiar de uma psicoterapia mais profunda para examinar as causas subjacentes de sua raiva (que podem estar relacionadas a dificuldades de personalidade e história anterior). Se você ou a raiva de seu parceiro se transformar em abuso físico ou emocional, é altamente recomendável que você procure a ajuda de um terceiro ou de uma organização externa.

Por favor, compartilhe suas experiências ou deixe um comentário na caixa abaixo.